A gestão em saúde por meio das tecnologias

As tecnologias de saúde digital, que vão desde sensores e tecnologias de diagnóstico portáteis até ferramentas de telemedicina e aplicativos de cuidados de saúde móveis, têm o potencial de transformar o sistema de gestão em saúde ao capacitar os consumidores a desempenhar um papel ativo em seus cuidados e definir quais serviços são importantes para eles. Essas tecnologias também estão modificando o modo como empresas, prestadoras de serviços de saúde, seguradoras e outras formas de gestão em saúde analisam um crescente número de dados para identificar necessidades reais não atendidas, assim como para medir os resultados dos tratamentos e adaptar as intervenções que devem ser feitas nos pacientes. Esse tipo de tecnologia possibilita restringir os gastos com cuidados de saúde e pode desempenhar um papel nos modelos de pagamento que responsabilizam os prestadores de serviços de saúde pela qualidade e pelos custos operacionais do tratamento. Por meio do uso de tecnologia também é possível analisar os dados eletrônicos sobre as experiências clínicas para identificar as necessidades que não foram satisfeitas e os resultados dos tratamentos.

Estima-se que os líderes do setor industrial no mundo invistam 5% da sua receita anual na digitalização de funções essenciais das cadeias vertical e horizontal de suas empresas, o que corresponde a um total de US$ 907 bilhões por ano até 2020. A maior parte desses investimentos será em tecnologias digitais com sensores ou dispositivos de conectividade, assim como softwares e aplicações, como sistemas de execução de manufatura. Para isso, as companhias industriais deverão desenvolver uma estrutura organizacional robusta que suporte os dados analíticos com capacidade de nível empresarial. No Brasil, apenas 9% das empresas se classificam como avançadas em níveis de digitalização, mas elas apostam em um crescimento acelerado nessa área nos próximos anos. Em 2020, a expectativa é que o percentual salte em cinco anos para 72% das empresas brasileiras (GEISSBAUER; VEDSO; SCHRAUF, 2016a).

O gerenciamento automatizado na segurança do trabalho tende a detectar e eliminar as causas do erro humano (e, portanto, acidentes ou eventos) no local de trabalho, tanto das perspectivas de gerenciamento de segurança quanto mecanismos comportamentais dos trabalhadores.

No caso da construção civil, por exemplo, a gestão eficiente da segurança dos profissionais que trabalham nas obras de uma construtora pode ser apoiada por uma solução tecnológica especializada no segmento de construção civil, que registra e controla informações para ajudar a cumprir os prazos e oferecer condições de trabalho seguras em todas as obras que for realizar. A solução deverá ser capaz de realizar o acompanhamento da saúde dos trabalhadores, armazenar e cuidar de todos os detalhes e ser uma aliada e tanto da construtora quando o assunto for segurança no canteiro de obras, assegurando o controle efetivo de todas as atividades rotineiras e o cumprimento de prazos, assim como protegendo a integridade física dos trabalhadores.

Segue o exemplo de um passo a passo para o sucesso na gestão em negócios digitais nas áreas da saúde e segurança:

1)  Mapear sua estratégia para a Indústria 4.0: avalie a sua própria maturidade digital hoje e defina metas claras para os próximos cinco anos, priorizando medidas que trarão mais valor para o seu negócio e garanta seu alinhamento com a estratégia global

2) Criar projetos-piloto: use projetos-piloto para estabelecer provas de conceito e demonstrar o valor gerado para o negócio, sabendo que nem todo projeto terá sucesso, mas eles ajudarão você a trabalhar em uma abordagem interfuncional e ágil com clientes e parceiros de tecnologia. A partir disso, adote uma concepção pragmática para compensar normas ou infraestruturas ainda não existentes.

3)  Definir e mapear detalhadamente as capacitações de que você precisa para realizar a sua visão: mostre como fatores que promovem a Indústria 4.0 (ex.: uma infraestrutura de TI ágil) podem melhorar todos os seus processos de negócio. Lembre-se de desenvolver estratégias para atrair pessoas e melhorar processos, bem como para implementar novas tecnologias. Torne-se um expert em dados. Use dados dos consumidores para melhorar os produtos e sua utilização em campo a fim de fornecer e construir novas ofertas de serviços.

4) Planejar uma abordagem ecossistêmica por meio do desenvolvimento de produtos e serviços completos para seus clientes: os verdadeiros avanços no desempenho acontecem quando você entende o comportamento do consumidor e pode orquestrar o papel da sua empresa no futuro ecossistema de parceiros, fornecedores e clientes. Nas fases iniciais, utilize parcerias ou se alinhe a plataformas, se não puder desenvolver uma oferta completa internamente (GEISSBAUER; VEDSO; SCHRAUF, 2016b).

Em um futuro breve, investimentos significativos em inovações em todos os campos da biotecnologia, nanotecnologia, tecnologia da informação, medicamentos inovadores e tecnologias relacionadas para melhorar o gerenciamento e tratamento de doenças se tornarão imprescindíveis. Assim, é preciso mudar a perspectiva sobre quem representa a “força de trabalho”, para refletir os diversos profissionais que operam em um espectro de doenças, segurança e bem-estar no ambiente de trabalho (RUIZ, 2017).

Você possui algum desafio em que as tecnologias para saúde e segurança podem ajudar?

Não deixe de acessar a plataforma nacional de soluções SESI e cadastre um desafio ou clique aqui para conferir as soluções em tecnologias para saúde – http://inovacaosesi.org.br/

Autores: Marcelo Benedet Tournier

Rodrigo Bastos Fernandes

Viviane Coelho Lourenço

(Visited 60 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *