Editais apoiam a indústria na inovação em produtos, processos, saúde e segurança de trabalhadores

Para erguer uma edificação, uma das partes mais importantes do processo é a estabilidade da construção, ou seja, a estrutura, formada por um conjunto de elementos que são combinados para resistir aos esforços produzidos pelo peso. É nesse segmento da construção civil que atua a empresa Impacto Protensão. Eles desenvolveram um projeto inovador para aquele que pode ser considerado elemento de grande importância na estrutura de uma obra: o pilar.

A Impacto submeteu a ideia para o Edital de Inovação para indústria e obteve sucesso. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Ceará) executou o projeto e desenvolveu a inovação junto com a empresa. O produto “fôrma plástica para pilar” já compõe o portfólio da Impacto Protensão e está ganhando cada vez mais espaço no mercado. Tradicionalmente, a madeira é o material usado nas fôrmas, que podem ser aproveitadas até cinco vezes gerando grande quantidade de resíduos além de exigir profissionais altamente qualificados para esse trabalho.

A fôrma plástica para pilar inova esse serviço. Ela pode ser utilizada até 80 vezes, não gera resíduos, podendo ser reciclada e virar um novo produto. Além disso, com treinamento simples, profissionais da construção civil sem especialização podem aprender a manuseá-la.

A empresa Blu, que fornece sistemas de água mineral predial, também apostou em edital de inovação para alavancar seu negócio e apoiar a expansão para a Região Sul do Brasil. Após uma consultoria em Gestão da Inovação do Instituto Euvaldo Lodi (IEL Ceará), a empresa percebeu que precisava organizar a gestão para focar no crescimento. Presente em mais de 200 condomínios em Fortaleza, com filial no Rio Grande do Norte, veio a decisão de expandir para São Paulo, Florianópolis, Porto Alegre e Curitiba.

As ideias de inovação saíram da cabeça do sócio-diretor, Henrique Hissa, para tornarem-se parte da gestão da empresa. A partir da estruturação de um núcleo de inovação, decidiram inscrever projeto no edital de inovação da Funcap e foram aprovados para desenvolver um sistema de medição remota e detector de vazamento. Hissa atribui essas iniciativas à consultoria por estimular a equipe a pensar diferente e inovar para que a empresa permaneça competitiva no mercado.

Empresas que têm ideias tão boas quanto essas ou mesmo as que têm vontade de inovar em produtos ou processos, mas ainda não sabem como fazer isso podem contar com o apoio do Sistema FIEC, por meio do Centro de Excelência em Inovação (CEI), para submeter projetos a editais de inovação, seja a fundo perdido ou com contrapartidas.

SENAI: INOVAÇÃO SAINDO DO PAPEL

O SENAI Ceará conta uma estrutura capacitada que auxilia a indústria cearense a trilhar o caminho da inovação com sucesso. O Laboratório de Projetos realiza Vigilância Tecnológica para identificar oportunidades de fomento para inovação no Brasil e no mundo. Os profissionais são especialistas em elaboração de projetos de inovação, modelo de negócio, análise de viabilidade financeira e econômica. Além disso, há gestores de projetos com Certificação PMP – Profissional de Gerenciamento de Projetos pelo PMI (Project Management Institute), certificação reconhecida e exigida mundialmente.

O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) gerencia a inovação desde a garantia do sigilo das informações, passando pela proteção intelectual e valoração até transferência de tecnologia. O Instituto SENAI de Eletrometalmecânica conta com setor de PD&I composto por profissionais capacitados para atuar na concepção do produto por intermédio da pesquisa.

Automação, Tecnologia da Informação, projeto de produtos com foco em DFM (Design For Manufacturing) são apenas algumas das possibilidades encontradas no Instituto, que também disponibiliza setor de metrologia para realização de ensaios físico-químicos, mecânicos e calibração a fim de garantir a qualidade dos projetos desenvolvidos. Os laboratórios de química, alimentos e construção civil desenvolvem inovação para essas áreas, mas outros setores também podem ser atendidos por meio de parcerias a nível nacional.

O SENAI Ceará também atua com transferência de tecnologia, sendo titular de dez pedidos patentes junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI), algumas prontas para o mercado e outras em estágio de desenvolvimento. Desde 2009, 19 projetos foram desenvolvidos pelo SENAI Ceará com apoio financeiro do Departamento Nacional do SENAI por meio de editais de inovação. Além do Edital de Inovação para a Indústria, o SENAI atua na elaboração, gestão e execução de projetos para outros editais fomentados pela FUNCAP, FINEP, BNB, BNDES, MCTIC, dentre outros.

Quatro projetos subvencionados pelo Edital de Inovação para a Indústria estão em execução e no ciclo 1 do edital de 2018 foram aprovados mais dois projetos de grande impacto tecnológico, social, ambiental e econômico. Projetos subvencionados pela FUNCAP e FINEP também estão em fase de execução. Para este ano ainda há a previsão de lançamento de editais de inovação como o INOVAFIT Fase 1 pela FUNCAP e TECNOVA pela FINEP.

IEL: TODA A EMPRESA FALANDO A MESMA LÍNGUA

Até que a inovação seja palpável numa empresa, o caminho a percorrer é longo. Tudo começa por disposição e ambiente propício para novas ideias. A consultoria em Gestão da Inovação, do IEL Ceará, prepara esse ambiente junto ao empresários, executivos e equipe, incentivando que todos falem a mesma língua em busca de novas formas de fazer negócio, seja em processo ou produto.

A metodologia utilizada é do IEL Nacional, com processos bem definidos. O início se dá com o mapeamento da gestão da inovação na empresa, depois a sensibilização, para em seguida já sugerir soluções como estabelecimento de política e estratégia de inovação, gestão de ideias, projetos de inovação, medição de resultados, reconhecimento e premiação e capacitação. O último passo é o desenvolvimento de um plano para ações futuras.

Além da Blu, a Wu Indústria e Comércio de Cosméticos também foi atendida pela consultoria em qualidade do IEL Ceará, submeteu projeto ao edital Inovafit 2016 Fase 2 da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) e foi aprovada. Ao todo, 28 empresas de Fortaleza e interior participaram da consultoria e quase todas submeteram projetos aos editais, conta a coordenadora de tecnologia e inovação do IEL Ceará, Marlene Albuquerque.

SESI: INOVAÇÃO NO CUIDADO COM O TRABALHADOR

Nem só de processo produtivo vivem os editais de fomento à inovação. As relações do trabalho, principalmente os cuidados com os trabalhadores da indústria também exigem novas formas de gestão para manter a produtividade dos negócios. É consenso entre os especialistas que saúde, segurança e qualidade de vida dos trabalhadores impactam diretamente na produção das empresas.

Nesse contexto, o Centro de Inovação do SESI do Ceará (CIS), especializado em economia voltada para saúde e segurança do trabalho, atua no desenvolvimento de soluções inovadoras nessa área produzindo informações do quanto isso trará de retorno financeiro para a empresa, de forma prática e objetiva. De acordo com o coordenador do CIS, Bruno Simões, os editais são um caminho de atuação a que o CIS pretende se dedicar com mais intensidade daqui para frente. Em conjunto com o CEI, além de apoiar a empresa proponente, o centro buscará recursos em editais brasileiros e estrangeiros para desenvolver projetos.

O CIS tem expertise para desenvolver inovações que possam atender às normas regulamentadoras (NR’s). Além da própria inovação, o centro capacita a equipe da empresa para colocar em prática a ideia, cria o processo e alinha tudo isso com a NR correspondente e ainda calcula os resultados de economia da implantação da inovação. Todas as inovações criadas pelo centro são possíveis de execução pelo SESI Ceará. Há ainda a possibilidade de trabalho em parceria com o SENAI Ceará para desenvolvimento palpável de tecnologia, caso necessário.

As categorias D e E do Edital de Inovação para Indústria são inteiramente dedicadas a essa área. A categoria D estimula o desenvolvimento de ideias inovadoras em Segurança e Saúde do Trabalho e Promoção da Saúde e a categoria E, o desenvolvimento de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos para Segurança e Saúde no Trabalho e Promoção da Saúde.

Na categoria D, empresas de qualquer porte e startups podem inscrever projetos com duração máxima de 18 meses, e financiamento de até R$ 350 mil. As ideias têm que girar em torno de adaptações ou customizações de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos.

Na categoria E, os projetos aprovados deverão ser realizados em, no máximo, 18 meses, com custo de financiamento de até R$ 600 mil. As ideias podem ser apresentadas por empresas de qualquer porte em conjunto com representantes dos setores de construção, frigorífico e mineração. As ideias deverão atender às demandas dessas indústrias e deverão ser disponibilizadas para o setor ao final do desenvolvimento.

Nas duas categorias, as propostas devem apresentar soluções nos seguintes temas: Higiene ocupacional, Ergonomia, Fatores psicossociais, Prevenção da Incapacidade, Longevidade e Produtividade, Economia para Saúde e Segurança, Tecnologias para Saúde e Sistemas de Gestão em SST.

A matéria está na Revista da FIEC de Novembro/Dezembro. Clique AQUI e confira a edição completa.

Conheça as soluções destes Centros, por meio da Plataforma Nacional de Soluções Inovadoras do SESI: http://inovacaosesi.org.br/e cadastre desafios.

(Visited 12 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *